quarta-feira, 22 de junho de 2011

POESIA: AMOR SUBSTANTIVO E ABSTRATO

AMOR SUBSTANTIVO E ABSTRATO

Amor-morcego?
Não sugo sangue e sim saliva
Sinto-me sempre bem

Sugo seu suspiro suave
Sinto sua pele-perfume
Finjo também

Fujo tão bem que nem percebes
Persegue-me no pensamento
Pressente minha chegada

"Chega de presente,
Quero é você"
Você e eu nesta estrada

Traga-me o beijo-bala-halls
Vista-se a vontade
Com vontade de amar

Arme-se de rosas-ricas rimas
Ria o sorriso são
Sem saber chorar

Toco em seu corpo-cor-púrpura
Conheço-te novamente (De novo)
A mente vaga

Vagarosamente depura
Sentimento que quente (Como fogo)
Quase afaga

Volto-me vendo você viajar
Vice-versa, vício, versos
Momento da música marchar

Grande gozo grave gozar
"Amor-cego?" "Amor-cego!"
Agora falo sem gaguejar

Nenhum comentário:

Postar um comentário